Remédios AidsAids vem do inglês “Acquired Immunodeficiency Syndrome”, que significa Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. É uma doença causada pelo vírus HIV, que ataca o sistema imunológico, ou seja, as células de defesa do nosso corpo. Por conta disso, o organismo fica extremamente vulnerável à várias doenças, pois se torna incapaz de produzir anticorpos em resposta aos antígenos comuns.

Anticorpos: são glicoproteínas derivadas dos linfócitos B, e tem a função de atacar os antígenos causadores de doenças.

Antígenos: substâncias estranhas ao organismo, que provocam uma resposta imunológica, através da formação de anticorpos.

A Aids é caracterizada pela perda de peso acentuada, fraqueza orgânica e pela grande diminuição no número de linfócitos T auxiliadores (CD4), células que possuem a função de ativar os outros linfócitos de defesa do corpo. Por estar fortemente debilitado pela presença do vírus HIV, o organismo fica suscetível à diversos microorganismos oportunistas. Muitas vezes uma simples gripe pode ser um grande risco para os portadores do vírus HIV, pois o corpo não consegue reagir.

Estima-se que, atualmente, em média, 33 milhões de pessoas no mundo tem Aids, e a maior parte dos casos ocorre na África, onde milhares de crianças já nascem infectadas. No Brasil, são mais de 650.000 pessoas com o vírus HIV, com idade entre 15 e 49 anos. 

Transmissão da Aids

O vírus HIV pode ser transmitido tanto pela relação sexual, através do esperma ou de secreções vaginais, como pelo sangue e pelo leite materno. Não é transmitido pelo contato físico, tosse, espirro ou nada parecido. Os riscos são maiores para pessoas que possuem uma vida sexualmente ativa com múltiplos parceiros, pelo sexo sem preservativo, para bebês que foram gerados após a infecção da mãe, e também pela utilização de agulhas compartilhadas para aplicação de drogas. Nas cidades européias e americanas, 80% dos consumidores de heroína são infectados.

Mas o que muitos não sabem, é que nem sempre quando se adquire o vírus HIV, a Aids se manifesta, pois ela é o estágio mais avançado da infecção. É possível passar um longo tempo com o vírus, sem apresentar sintomas, pois ele é controlado pelo sistema imunológico, e quando o sistema começa a ser atacado de uma forma mais intensa, aí sim começam a surgir os primeiros sintomas. Mas há também o risco da manifestação tardia, muitas vezes já acompanhada por outros graves problemas e doenças.

Sintomas da Aids

Os principais sintomas iniciais da Aids são: febre alta, crescimento dos gânglios linfáticos, diarréia constante, perda de peso e erupções na pele.

Aids de mãe para filho Mãe e filho

Um dos grandes problemas para mulheres que engravidam, e são portadoras do vírus, é a hereditariedade da doença. O material hereditário do HIV é o RNA, e uma de suas características, é a presença da enzima transcriptase reversa, que possui a capacidade de produzir moléculas de DNA a partir do RNA.

Como ocorre a produção de DNA a partir do RNA?

A membrana do vírus se funde com a membrana da célula, e há a penetração do capsídeo (material envoltório dos vírus, é um invólucro constituído de proteínas que protegem o ácido nucléico) no citoplasma. A partir dessa penetração, o RNA produz uma molécula de DNA, que penetrará no núcleo da célula, se introduzirá em algum cromossomo do hospedeiro, e se recombinará com o DNA celular.

O DNA viral que estará integrado ao cromossomo, é chamada de provírus, que tem a função de produzir moléculas de RNA, originando vários vírus completos. E a partir do momento que os genes do provírus se integram aos da célula, há a produção das partículas virais pelo resto da vida. Esse processo não leva a morte da célula hospedeira, mas transmitirá o provírus para as células filhas.

Tratamento da Aids

Infelizmente a ciência ainda não descobriu a cura para a Aids, mas já existem alguns medicamentos que controlam o vírus.

Na década de 80, mais de 50% das pessoas infectadas pelo vírus HIV morriam em menos de seis meses, foi um período crítico, pois pouco se sabia sobre a doença. Mas a partir de 1989, após a descoberta da zidovudina-AZT, e de outras substâncias que associadas à ela, aumentavam bastante a expectativa de vida, esse cenário começou a mudar. Ocorreram grandes avanços nas pesquisas científicas, e de diversas tentativas, surgiu mais uma proposta: o coquetel, uma terapia anti-retroviral.

A combinação de medicamentos que fazem parte do coquetel, deve ser forte o bastante para baixar a carga viral, combatendo a multiplicação dos vírus. Para que o tratamento seja ainda mais eficaz, é importante iniciá-lo rapidamente, antes que o sistema imunológico se enfraqueça demais.

Os medicamentos anti-retrovirais possuem a função de impedir que o vírus HIV se reproduza dentro das células CD4, ou seja, que novas células não sejam infectadas por suas cópias.

Alguns medicamentos disponíveis para Aids:

  • Inibidoras da protease:

Indinavir (Crixivan); ritonavir (Norvir); saquinavir (Invirase ou Fortovase); nelfinavir (Viracept); amprenavir (Agenerase); lapinovir (Kaletra).

  • Inibidoras da Transcriptase Reversa Nucleosídeos:

Zidovudina (Retrovir ou AZT); didanosina (Videx ou ddI); zalcitabina (Hivid ou ddC); estavudina (Zerit ou d4T); lamivudina (Epivir ou 3TC); combivir (AZT + 3TC); abacavir (Ziagen); Trizivir (AZT + 3TC + abacavir).

  • Inibidoras da Transcriptase Reversa Não Nucleosídeos:

Nevirapina (Viramune); efavirenz (Sustiva); delavirdina (Rescriptor).