Gêmeos IlustraçãoA clonagem é um processo que pode ser natural ou artificial de reprodução assexuada, e nela, são feitas cópias idênticas de outra espécie, formando um clone (do grego klon, que significa broto). A clonagem natural ocorre principalmente com as bactérias e organismos unicelulares devido à sua reprodução. Já a clonagem artificial pode ser feita de várias formas, por exemplo, a clonagem de um animal pode ser feita com os óvulos que não foram fecundados. Esse método é conhecido desde século XIX.

Essa ideia surgiu em 1938, com o embriologista alemão Hans Sperman, indicado ao Prêmio Nobel de Medicina em 1935. Ele apresentou um experimento que consistia na transferência do núcleo de uma célula, que estava com desenvolvimento atrasado, para o óvulo. Já em 1952, foi feita a clonagem de sapos com a utilização de células embrionárias. O primeiro processo de clonagem ocorreu em 1996, na Escócia, e foi realizado pelo doutor Ian Wilmut. O procedimento foi feito no Instituto de Embriologia Roslin, onde conseguiram clonar uma ovelha que recebeu o nome de Dolly. Depois dessa clonagem, vários animais conseguiram ser submetidos a isso também, como bois e cavalos.

A clonagem em humanos é algo que ainda é visto com muita crítica por grande parte da população. Questões éticas e religiosas estão entre os maiores empecilhos para a experiência. Os procedimentos mais utilizados em clonagem são esses dois: um deles utiliza o núcleo que é retirado de uma célula não reprodutiva ou somática de um indivíduo para inseri-lo em um óvulo que teve seu núcleo com DNA retirado. É uma célula que pode vir de um embrião, feto ou adulto. A outra técnica é baseada na fusão de uma célula inteira com um óvulo sem o material genético. Essa foi a forma utilizada na ovelha Dolly.

No Brasil, a clonagem utilizando animais começou em 2001, pela Embrapa, que resultou no nascimento de uma bezerra. Esse foi o único animal clonado no país até o momento.

Projeto Genoma

Em 1990, surgiu o Projeto Genoma, que tinha o objetivo de identificar os genes através do processo de mapeamento genético humano. Nesse mapeamento, era registrado cada um dos genes do cromossomo onde eram determinados os nucleotídeos e a sua função. As vantagens atribuídas a esse procedimento estão associadas à cura de várias doenças; porém, o uso indevido pode acarretar problemas na vida da pessoa que pode ser descartada, por exemplo, de uma entrevista para emprego, caso possua algum problema genético ou predisposição para o câncer.

O projeto começou com uma iniciativa do governo dos Estados Unidos, com o intuito de descobrir informações sobre as substâncias químicas que estão organizadas na fita do DNA. Posteriormente. vários países começaram a fazer parte do projeto, inclusive o Brasil, e ele se tornou internacional. Tem o objetivo também de desenvolver estudos para a descoberta dos genes na sequência de DNA e assim auxiliar a Medicina e a Biologia.

A sua importância está no fato dele buscar uma melhora nas condições de vida do ser humano com a prevenção e a cura de determinadas doenças.

Ovelha Dolly

Em 1966, a ovelha da raça Finn Dorset, a Dolly, foi o primeiro animal clonado e assim os cientistas comprovaram que, por meio de uma célula somática, poderiam clonar um animal mamífero. Eles conseguiram transformar as células adultas em células-tronco novamente. A clonagem, nesse caso, foi feita com a célula mamária de uma ovelha de 6 anos e essa célula foi colocada em uma cultura com poucos nutrientes.

Apesar do procedimento ter dado certo, ele apresentou alguns problemas:

  • A ovelha não era idêntica ao doador do núcleo;
  • Dolly aparentava envelhecimento celular de forma precoce, e isso é apontado como consequência de ter sido criada a partir de uma célula adulta;
  • A ovelha adquiriu muitas doenças ao longo de sua vida.

Vantagens e Desvantagens

Vantagens:

  • Preserva as espécies de animais;
  • Desenvolve imunidade à determinadas doenças;
  • Clonagem de determinadas células com a finalidade de tratar doenças como diabetes e leucemia;
  • Sua utilização para a produção de células-tronco com o intuito de recuperar alguns órgãos e tecidos;
  • Ajuda aos casais que não conseguem ter filhos, mesmo após tratamentos de fertilidade;
  • Resgate de material genético.

Desvantagens:

  • Possui pouca eficiência;
  • Envelhecimento precoce;
  • Possíveis anomalias;
  • Os clones podem ser maiores que o normal;
  • Fetos que não resistem ao nascimento.

Clonagem Reprodutiva e Terapêutica

A clonagem reprodutiva tem a intenção de criar uma cópia de um indivíduo que já existe. Nesse caso, é realizada uma técnica chamada de Transferência Nuclear que consiste em remover o núcleo de um óvulo e substituí-lo pelo núcleo de uma célula somática. Após essa fusão, ocorreu a diferenciação das células e quando o embrião atinge de 200 a 250 células, ele forma um blastocisto. Nesse período, um embrião é implantado na cavidade do útero. O blastocisto possui uma camada interna e externa e depois que ocorre a gestação, é criado um indivíduo que possui o mesmo caráter genético de seu doador de célula somática.

A clonagem terapêutica, em seu início, realiza o mesmo procedimento que a clonagem reprodutiva; entretanto, o blastocisto não é introduzido em um útero. Ele é utilizado para produzir células-tronco com a intenção de produzir tecidos e órgãos. Nesse caso, é realizada a produção de uma cópia a fim de realizar um transplante.