Anticoncepcionais Naturais

Espermatozoide IlustraçãoMétodos naturais são aqueles que não utilizam nenhum método artificial, que usam somente o ciclo corporal para evitar a concepção. Esses são métodos aceitos por religiões que são contra métodos contraceptivos. Têm um grau considerável de ineficácia na prevenção da gravidez.

Muco Cervical (método billings)

O método billings é a observação diária do muco cervical. O muco cervical é uma secreção produzida pelo colo do útero para a proteção do trato genital da mulher. Sua aparência muda durante o ciclo menstrual.

A mulher pode observar o muco ao colocar o dedo no canal vaginal verificando sua aparência ou observando as diferentes sensações na vulva ao longo do dia.A abstinência ou atividade sexual deve acontecer conforme aparência do muco cervical.

O muco deve ser observado antes das relações sexuais e antes do banho para que sua aparência não seja modificada.

A quantidade de muco não é importante, mas sim sua aparência. Algumas mulheres tem dificuldades com esse método pois tem pouca umidade vaginal.

Possíveis efeitos colaterais: Nenhum.

Anticoncepcionais Naturais

Temperatura Basal (TCB ou também)

O método de temperatura basal consiste em medir a temperatura corporal da mulher para identificar os dias da ovulação. Nos primeiros 4 dias do ciclo menstrual a temperatura se mantém mais baixa cerca de 35 a 36 °C, mas pode variar de pessoa para pessoa. Quando a mulher entra na fase fértil, sua temperatura aumenta 0,5 a 0,8 °C e permanece elevada até o dia da próxima menstruação. Essa elevação de temperatura é um indício de fertilidade.

A mulher deve observar durante alguns meses a sua temperatura, medindo logo ao acordar, antes de fazer qualquer esforço e de preferência no mesmo horário. A medição é feita colocando um termômetro na boca ou na vagina. Pode se medir com qualquer termômetro, mas o mais indicado é o termômetro digital que além de dar a temperatura mais rápido ainda grava a última temperatura. Os resultados devem ser anotados todos os dias. Logo a mulher começa a se conhecer melhor e a identificar os dias mais férteis. Esse método pode ser usado juntamente com o método Billings.

Efeitos colaterais: Nenhum.

Tabelinha

Esse método consiste em identificar o meio do ciclo para saber os dias mais férteis. Primeiramente a mulher precisa contar a duração de seu ciclo menstrual contando do primeiro dia da menstruação até o próximo primeiro dia da menstruação do mês seguinte. Os ciclos podem variar de 26 a 32 dias. O dia fértil acontece mais ou menos no meio do ciclo, por exemplo, se uma mulher tem um ciclo de 28 dias, no 14º do ciclo ela estará fértil. Para medir é preciso saber a duração dos últimos 3 ciclos, pega-se o de menor duração e divida por 2, esse será o dia fértil. Se não deseja engravidar, abstenha-se de sexo 3 dias antes e 3 dias depois do dia fértil. Esse método não previne contra doenças sexualmente transmissíveis.

Esse método é contra indicado para mulheres com ciclos irregulares.

Como age: Indica os possíveis dias férteis.

Possíveis efeitos colaterais: Nenhum.

Coito Interrompido

O coito interrompido consiste em retirar o pênis da vagina antes da ejaculação e é preciso auto controle por parte do homem. Esse método tem uma margem de ineficácia, pois o líquido que costuma sair do pênis antes da ejaculação contém espermatozoides. Pode ser utilizado por qualquer pessoa, até mesmo aquelas que não têm condições de usar outros métodos.

Essa prática pode deixar os parceiros sexualmente insatisfeitos e ansiosos. Esse método não previne contra doenças sexualmente transmissíveis.

Como age: Impede que os espermatozoides entrem em contato com sistema reprodutivo da mulher.

Possíveis efeitos colaterais: Nenhum.

Anticoncepcionais Hormonais

São métodos anticoncepcionais compostos por um ou mais hormônios combinados que suspendem a ovulação. Para usar esse método é imprescindível uma consulta médica para a indicação do melhor anticoncepcional para cada mulher.

Pílulas Anticoncepcionais

São indicadas para praticamente todas as mulheres de todas as idades que desejam evitar filhos. É preciso prescrição médica para indicar a melhor combinação de hormônios contidos na pílula. Esses hormônios são similares aos que as mulheres já têm em seu corpo.

A pílula deve ser tomada todos os dias durante o tempo de duração da cartela, sempre no mesmo horário e respeitando os dias de descanso em que a mulher ficará menstruada. Caso esqueça-se de tomar um dia, no próximo devem-se tomar duas pílulas, caso esqueça-se dois dias no terceiro devem-se tomar 3, daí por diante é recomendado a suspensão da pílula e uso de um outro método anticoncepcional ou recomeçar outra cartela na próxima menstruação. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

O inconveniente desse método é que podem ocorrer mudanças no ciclo menstrual como, sangramento irregular nos primeiros meses, e obrigatoriedade de tomar todos os dias. É considerado um método anticoncepcional seguro, apenas 3 em cada 1000 mulheres engravida no primeiro ano de uso.

Como age: Suspende a ovulação e muda o estado do muco cervical dificultando a mobilidade dos espermatozoides.

Possíveis efeitos colaterais: Dor de cabeça, tontura, aumento de peso, alterações de humor, acne, sensibilidade nas mamas, náuseas, diminuição do desejo sexual.

Pílula do dia seguinte (Pílula de emergência)

Após a relação sexual sem proteção a mulher poderá fazer uso das pílulas de emergência. São duas pílulas que devem ser tomadas a cada 12 horas. É eficaz se tomada em até 5 dias após a relação sexual. Não interrompem uma gravidez já existente. Esse método não deve ser usado frequentemente, somente em casos de emergência. É indicado que se faça uso dela somente uma vez ao ano, pois ela contém uma quantidade grande de hormônios e isso pode ser prejudicial ao organismo da mulher. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Como funciona: São feitas de progesterona, um hormônio presente no corpo da mulher durante a gravidez. Funciona retardando a liberação do óvulo para a fecundação.

Possíveis efeitos colaterais: Ligeiro sangramento irregular de 1 a 2 dias após a ingestão. Dores de cabeça, tonturas, sensibilidade nos seios, vômitos e antecipação da menstruação.

Injeção Anticoncepcional

É um anticoncepcional injetado nos braços, nas nádegas ou nos quadris. Alguns duram 13 semanas, outros apenas 30 dias. Tem a eficácia igual a das pílulas anticoncepcionais mas a vantagem é que não precisam de ingestão diária. É aplicado por profissionais em farmácias. É comum a mulher não menstruar durante seu uso.

Como age: Impede a ovulação.

Possíveis efeitos colaterais: Ganho de peso, dores de cabeça, menstruação irregular nos primeiros meses, sensibilidade nos seios, tonturas. Pode haver perda de sangue eventual.

Adesivo Anticoncepcional

É um pequeno adesivo plástico que em contato com o corpo, libera os hormônios progestógeno e estrógeno. O adesivo deve ser colocado no antebraço ou nas nádegas e a mulher deve permanecer sete dias com o mesmo adesivo. Ele deve ser trocado no mesmo dia da semana durante 3 semanas, na quarta semana virá a menstruação. Não se deve ficar sem o adesivo por mais de 7 dias pois há risco de gravidez. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Como age: Impede a liberação do óvulo pelo ovário.

Possíveis efeitos colaterais: Dores de cabeça, menstruação prolongada, ausência de menstruação, irritação na pele no local onde fica o adesivo, dor abdominal e sintomas de gripe.

Implantes Subcutâneos

São pequenas cápsulas ou hastes flexíveis que medem cerca de 5 cm, que são colocadas sob a pele do antebraço e são eficazes por um longo tempo, de 3 a 7 anos. Devem ser colocados por um médico por meio de um pequeno procedimento cirúrgico, mas não há necessidade de internação. Pode ser utilizado durante toda a amamentação. O inconveniente desse método é que a mulher não consegue retirar os implantes sozinha, precisa de ajuda profissional. Não protegem contra doenças sexualmente transmissíveis.

Como funciona: Liberam progestógeno gradativamente impedindo a liberação do óvulo pelos ovários. Produz o espessamento do muco cervical dificultando a passagem dos espermatozoides.

Possíveis efeitos colaterais: Menstruação irregular no primeiro ano, sensibilidade nos seios, tonturas, dor abdominal, mudanças de humor, aumento dos folículos ovarianos.

Anel Vaginal

É um anel flexível que é colocado no canal vaginal e que contém os hormônios parecidos com os já existentes no corpo da mulher. Deve ser mantido no canal vaginal por cerca de 3 semanas e depois retirado, dar o intervalo de uma semana para a menstruação e depois deve ser recolocado. Para retirá-lo é necessário introduzir o dedo indicador dentro da vagina para puxá-lo. O anel não interfere nas relações sexuais. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Como age: Libera os hormônios progestógeno e estrógeno na corrente sanguínea.

Possíveis efeitos colaterais: Menstruação irregular nos primeiros meses.

Anticoncepcionais de Barreira

Métodos de barreira são aqueles que bloqueiam os espermatozoides antes de chegar ao óvulo.

Camisinha Masculina e Feminina

A camisinha masculina tem um formato cilíndrico com um bico na ponta e é feita de látex ou poliuretano, pode ser encontrada em várias cores e já vem lubrificada. Ela deve ser colocada antes da penetração, quando o pênis estiver ereto, tomando cuidado para que não entre ar dentro da camisinha para não estourar quando acontecer a ejaculação. Ela precisa ser retirada logo após a relação sexual e jogada no lixo. É um dos métodos mais conhecidos e mais usados. A camisinha, além de prevenir a gravidez, é eficiente na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. É distribuída gratuitamente nos postos de saúde. O único inconveniente da camisinha masculina é ter que parar as preliminares para ser colocada.

A camisinha feminina, assim como a masculina, também tem formato cilíndrico e é feita de látex, porém tem um anel de borracha no fundo para facilitar a sua introdução dentro do canal vaginal. Ela pode ser colocada horas antes da relação sexual e retirada logo após. A camisinha feminina é pouco usada se comparada à masculina, as mulheres ainda tem certa resistência em relação a ela. Os benefícios da camisinha feminina são a proteção contra a gravidez e doenças sexualmente transmissíveis e a não dependência do parceiro para se proteger.

Como age: Retém os espermatozoides evitando a fecundação.

Possíveis efeitos colaterais: Nenhum.

Diafragma

O diafragma é uma borracha redonda com aros flexíveis que é inserida na vagina antes da relação sexual. É relativamente fácil de ser usada, pode ser aplicada uma pomada de espermicida antes ser dobrado em forma de 8 e inserido na vagina. O diafragma deve permanecer até 6 horas após a relação sexual antes de ser retirado, para garantir que não haja espermatozoides vivos. Após ser retirado o diafragma deve ser lavado com água fria e sabão neutro, seco com uma toalha macia e guardado em sua caixa. O único inconveniente desse método é que ele deve ser colocado antes da relação sexual. Tem sido bem pouco usado ultimamente, pois existem muitos outros métodos bem mais cômodos. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Como age: Impedem a passagem dos espermatozoides evitando a fecundação. A pomada espermicida mata os espermatozoides.

Possíveis efeitos colaterais: Nenhum.

DIU

O Dispositivo Intra Uterino é uma estrutura de plástico em forma de T envolvido por um fio de cobre. É muito usado por mulheres que já tiveram filhos, mas pode ser adotado por todas as mulheres. É inserido por um profissional na cavidade uterina com ajuda de equipamentos ginecológicos e só poderá ser retirado por um ginecologista. Muitas mulheres se queixam de que sua aplicação é dolorosa. O benefício desse método é que a mulher não precisa se preocupar em tomar pílulas ou se preocupar com contraceptivos todos os dias. O DIU tem validade longa, até 5 anos.

Como age: O cobre faz uma ação química que danifica o óvulo e o esperma antes que haja a fecundação.

Possíveis efeitos colaterais: Cólicas menstruais, sangramento irregular e abundante e anemia.

Anticoncepcionais Cirúrgicos

Vasectomia

É um procedimento cirúrgico para a esterilização do homem. O médico retira um fragmento de cada um dos ductos deferentes que levam os espermatozoides dos testículos ao pênis. A incisão é feita numa área próxima ao saco escrotal. Depois de alguns meses o líquido ejaculado não terá mais espermatozoides. Não há a necessidade de internação, a incisão é pequena e se usa apenas anestesia local. É um método seguro para evitar a gravidez e não afeta a vida sexual do homem. As relações sexuais podem acontecer cerca de uma semana depois da cirurgia. Esse método é bastante usado por homens que já tem a sua família e não desejam ter mais filhos. A vasectomia pode ser revertida dependendo de como foi feito o procedimento anterior. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Possíveis efeitos colaterais: Desconforto depois do efeito da anestesia, inchaço na região da operação e risco de infecção.

Laqueadura

É um método permanente que corta as tubas uterinas através de um procedimento cirúrgico e bloqueia o encontro dos espermatozoides com o óvulo impedindo a fecundação. Podem ser usados clipes de titânio ou anéis plásticos para a obstrução das tubas. A laqueadura se assemelha a uma cesariana, por isso há a necessidade de internação por até 3 dias e mais 10 dias de repouso. Depois da laqueadura a mulher menstrua normalmente. Esse método não interfere na produção de hormônios femininos e nem na vida sexual da mulher. Esse método é indicado para mulheres que já tiveram sua prole e não desejam aumentar a família. A laqueadura pode ser reversível dependendo de como foi feito o procedimento anterior. Caso tenha ocorrido a retirada das trompas a reversão é impossível. Não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Possíveis efeitos colaterais: Desconforto depois do efeito da anestesia, inchaço na região da operação e risco de infecção.